Conceito: Mago auto-didata
Inspirações: Indefinidas
Campanha: Crônicas de Vastar (nome provisório)
Primeira aparição: 4 de setembro de 2016
Interpretado por: Mário Henrique

Nerianth Ebemrar

N, Humano chondathani Mago 1
Humanóide (Humano) Médio
Iniciativa +1, Sentidos Observar 11 (+2 com familiar), Ouvir 11 (+2 com familiar)
Idiomas Chondathan, Damaran, Dracônico

CA 12 (+1 Des, +1 sorte), toque 12, surpresa 12
DV 1d4+2 (9 PV)
Fortitude +3, Reflexos +2, Vontade +4

Deslocamento 9 m
Corpo a corpo Cajado: +0 para acertar, 1d6 de dano concussivo
Corpo a corpo Adaga: +0 para acertar, 1d4 de dano perfurante, dec. 19-20
À Distância Besta leve: +1 para acertar, distância 24 m, 1d8 de dano perfurante, dec. 19-20
À Distância Adaga: +1 para acertar, distância 3 m, 1d4 de dano perfurante, dec. 19-20
BBA +0, Agarrar +0
Magias de mago (NC 1, CD 12 + nível da magia)
0- Detectar magia , Luz , Mãos mágicas 
1- Enfeitiçar pessoas , Escudo arcano 
Itens Pergaminho de armadura arcana , varinha de mísseis mágicos (NC 1, 7 cargas)

For 10, Des 13, Con 14, Int 15, Sab 12, Car 8
Características Invocar familiar
Talentos Escrever pergaminho, Sorte dos heróis, Vitalidade
Perícias Avaliação +2 (+3 com familiar), Concentração +6, Conhecimento (Arcano) +6, Decifrar escrita +6, Observar +1 (+2 com familiar), Ouvir +1 (+2 com familiar), Profissão (Mercador) +5
Equipamento Varinha de mísseis mágicos (NC 1, 7 cargas), cajado, adaga, besta leve, caixa com 10 virotes, Grimório de Ebemrar, bolsa de componentes de magia, pergaminho de armadura arcana, traje de sábio, algibeira com 8 PP, cobertor de inverno, saco de dormir, porta-mapas com 5 folhas de pergaminho, caneta tinteiro, vidro com ¼ de tinta

Grimório de Ebemrar 0- Todas; 1- Armadura arcana, Enfeitiçar pessoa, Escudo arcano, Mísseis mágicos, Transformação momentânea. Adicionalmente, o grimório contém as seguintes magias ainda não compreendidas completamente por Nerianth: 1- Arma mágica, Recuo acelerado; 2- Proteção contra flechas, Raio ardente, Reflexos, Vigor do urso; 3- Bola de fogo, Dissipar magia;

 

Tutor de Ébano

N, Corvo Familiar
Besta mágica Miúda
Iniciativa +2, Sentidos Observar 15, Ouvir 13, Visão na penumbra
Idiomas Chondathan

CA 15 (+2 tamanho, +2 Des, +1 natural), toque 14, surpresa 13
DV 1/4d8 (4 PV)
Fortitude +2, Reflexos +4 (Evasão aprimorada), Vontade +2

Deslocamento 3 m, vôo 12 m
Corpo a corpo Garra: +4 para acertar, dano 1d2-5
BBA +0, Agarrar -13
Espaço 0,75 m, Alcance 0 m
Ações especiais Partilhar magias, Vínculo empático

For 1, Des 15, Con 10, Int 6, Sab 14, Car 6
Características Evasão aprimorada, Partilhar magias, Vínculo empático, Visão na penumbra
Talentos Acuidade com arma
Perícias Observar +5, Ouvir +3

 

Histórico

O pai de Nerianth, Indryel “Manto Prismático” Ebemrar, era um mago na antiga Cidade do Vale da Cicatriz quando o Lorde Lashan Aumesair se ergueu para conquistar os Vales em 1.356 CV. Seguindo o exílio dos aventureiros que não apoiavam o tirano, Indryel fugiu com sua família para Rocha do Corvo, na Vastidão, onde se aposentou da vida de aventureiro e estabeleceu-se como um bem sucedido mercador. Aquilo interrompeu abruptamente o aprendizado de Nerianth como mago e mudou a maneira como enxergava a vida. Na época, ele tinha apenas seis anos de idade.

Mas os problemas não abandonam os aventureiros só porque eles abandonaram a vida de aventuras. No Ano da Caneca (1.370 CV), Rocha do Corvo foi atacada no mesmo dia por duas forças: primeiro uma frota de piratas que deixou a cidade sem defesas navais e, em seguida, por um exército de humanos mercenários, orcs, ogros, gigantes e coisas piores.

Ebemrar, no entanto, estava cansado de fugir e decidiu ficar para ajudar a defender sua cidade. Sua magia seria imprescindível na vitória que viria, porém enviaria a família em segurança para outro local. Foi com grande apreensão que percebeu que o filho tinha desaparecido e com ele uma varinha mágica, um de seus grimórios e seu pássaro de estimação.

Nerianth tinha aproveitado a chance para viver a vida que seu pai havia lhe negado: uma vida de viagens e aventuras, de descobertas e tesouros inimagináveis! Ele conseguiu escapar do cerco à cidade com a ajuda de um bardo errante e desde então tem perambulado pela Vastidão, ambicioso demais para se manter no mesmo lugar por muito tempo, envergonhado demais para retornar e encarar o pai.

Aparência

A ascendência chondathani de Nerianth é óbvia em sua pele amarela-dourada, olhos e cabelos castanhos como nozes. Ele é alto e esbelto, com aspecto muito saudável, mas um rosto de poucos amigos. Nerianth começou a cultivar inconscientemente a aparência arredia de um mago, com barba e manto purpúreo, cajado e botas gastas de viagem.

Seu cajado é pouco mais que uma clava pega ao acaso durante suas viagens, mas ele considera adquirir um item mais elaborado conforme for adquirindo mais poder e respeito.

Dicas de interpretação

Nerianth herdou os principais traços de personalidade de sua cultura. Por um lado, ele tem a mentalidade mercantilista típica do chondathani, que vê as coisas como oportunidade de ganho material e mede o grau de conquista das pessoas pela quantidade de ouro que carregam consigo. Por outro, ele goza da coragem e da sorte que parece proteger os habitantes da Terra dos Vales (mas utiliza isso mais em benefício próprio que para ajudar os outros).

Uma diferença crucial está no fato das palavras “magia” e “itens mágicos” serem um substituto mais poderoso no que se refere a “riqueza” e “tesouros”. Seu desejo por itens de magia e segredos arcanos podem levá-lo ainda mais longe do que o ouro seria capaz.
A relação de Nerianth e seu familiar está menos para uma entre mestre e servo, e mais para irmão mais velho e caçula. Na opinião do mago, Tutor é uma figura só um pouco mais tolerável que o pai (às vezes ele até se pergunta se o pássaro não seria, na verdade, um espião a serviço do Velho Ebemrar).

Anúncios